Quarta Parede

Blog de reflexão sobre teatro e dramaturgia.

Archive for Janeiro 2013

Curso de escrita de teatro, com Jorge Palinhos e Luís Mestre

leave a comment »

O teatro é a mentira mais verdadeira do mundo, pois deixa-nos olhar para nós próprios através de nós próprios, deixa-nos construir pilares seguros para a fragilidade e insegurança da vida através da argamassa diáfana dos sonhos. É talvez a forma mais viva e total de inventar a realidade. Uma das artes mais universais e intemporais vive da palavra colocada no corpo humano para lhe dar a força da respiração e a urgência das emoções.

 
 

 

Descrição

Neste curso iremos transmitir a forma como a ordem das palavras, a ordem dos corpos e a ordem da cena ajudam a criar uma estrutura com a qual se pode dar sentido às ideias que sobressaltam todo aquele que tem fome de escrever.

 

     

Objetivos

  • Apresentar os princípios e técnicas da escrita para teatro
  • Permitir que os participantes escrevam uma breve peça completa que reflita a eternidade do momento presente.

 

 

 

 

 

Conteúdos programáticos

  • Princípios de estrutura dramática, elementos do drama e da ação dramática.
  • Apresentação de alguns autores contemporâneos fundamentais.
  • Princípios do texto, diálogo e monólogo.
  • Especificidades da escrita dramática.
  • Confronto da palavra oral com a palavra escrita.
  • Exercícios práticos de escrita.
  • Formas de conflito e enredo.
  • Criação de personagens.
  • Estrutura da peça.
  • A primeira cena.
  • Revisão da peça.
  • Diagnóstico dos problemas da peça.
  • Sessão prática de escrita e reescrita.
  • Leitura da cena em voz alta.

Mais informações: Escrever Escrever

 

 Destinatários:

Público em geral que tenham projectos de escrita de peças de teatro ou   apenas espectadores atentos à escrita no seu todo.

Written by Jorge

Janeiro 28, 2013 at 10:09 am

Publicado em Uncategorized

Tagged with ,

Entrevista a Joseph Danan

leave a comment »

Fernando Mora Ramos entrevistou Joseph Danan, entrevista essa publicada no Facebook.

Aqui fica essa entrevista reproduzida, com a devida vénia:

«Entrevista a Joseph Danan por Fernando Mora Ramos

por Teatro da Rainha a Terça-feira, 15 de Janeiro de 2013 às 17:51 ·

Quatro perguntas a Joseph Danan – professor, ex director dos Estudos Teatrais da Sorbonne Nouvelle, ensaista e dramaturgo – de Fernando Mora Ramos.

1. O teatro dos papás é uma peça-espectáculo. A tua escrita é a de um autor cénico mais do que do dramaturgo ?

Eu não acredito no «teatro das palavras ». Para mim é falhar a complexidade da escrita cénica a sua redução ao verbal. Tudo o resto existe: os corpos, a imagem cénica ou projectada, todos os meios da cena actual.

Escrevi O teatro dos papás como um seguimento de Jojo, o reincidente, uma peça puramente didascálica. Não é o caso de O teatro dos papás, mas permanecem certas coisas : é o didascálico que toma a dianteira e o dialogal que complementa quando é necessário.

Apesar disso não me considero um « autor cénico », pois delego o acto cénico num encenador. Isso talvez venha um dia a acontecer mas não é o caso desta peça que, além do mais, não saberia bem como montar… Leia o resto deste artigo »

Written by Jorge

Janeiro 25, 2013 at 11:31 am

Publicado em Dramaturgia, Entrevista

O teatro português e o 25 de abril

leave a comment »

Um bom texto de David Antunes:

«(…) O teatro português contemporâneo é essencialmente o resultado directo ou indirecto da Revolução de Abril de 1974, mesmo que a motivação ideológica, ou a reacção a ela, já há muito tenha deixado de fazer sentido, tanto para as companhias que então se formaram, como para os praticantes de teatro que entretanto se lhe seguiram. Seguindo muito de perto, nesta categorização e caracterização, Eugénia Vasques no seu texto 9 Considerations autour du Thêatre des années 90, datado de 1998, o teatro português contemporâneo é, por isso, aquele que é realizado por companhias que, nascidas nesse momento, ainda aí encontram um alento identitário forte, mesmo que a sua busca já seja outra, as companhias de teatro independente; por alguns freelancers de talento, que se afirmaram na década de 80 e que recusaram esse enquadramento para o qual as circunstâncias políticas e artísticas orientavam; por grupos ou companhias de
teatro alternativo, que foram criadas nos anos 90 com um cariz de vanguarda e diferença, mas nas quais se verifica agora uma espécie de utopia da ideologia, que se manifesta em temas relacionados com Portugal, o teatro e a sua missão, a ideia de companhia; por alguns novos para quem a questão nem se coloca, mas que herdaram esse contexto e tentam encontrar outro modo de expressão teatral, cada vez mais performativo, inclusivo e dialogante, em que as questões de género, identidade, dramaturgia, interrogação e decomposição das disciplinas artísticas são as cruciais. Por conseguinte, este panorama teatral e performativo começa a constituir-se no espírito colectivista e ideológico de uma luta pela liberdade e pela democracia, afirma essa liberdade nos anos que se seguem à Revolução, deve a sua existência e forma a uma realidade social, que teve de aprender a viver em democracia e pela democracia, confronta-se, mais recentemente, com uma espécie de ressaca de uma orientação que pode ser ideológica, num sentido lato, mas é também certamente ética e artística.(…)»
Texto completo: Teatro e Outras Artes Performativas

Written by Jorge

Janeiro 25, 2013 at 11:24 am

Publicado em Reflexão