Quarta Parede

Blog de reflexão sobre teatro e dramaturgia.

António Pedro – Um experimentador compulsivo

with one comment

É um exemplo quase único de polivalência criativa na cultura portuguesa do século XX. Foi encenador, poeta, ficcionista, cronista, crítico de arte, pintor, escultor, ceramista… Uma dispersão que ajuda a explicar a escassez de abordagens globais da sua obra. Se escolhermos a publicação do livro de poemas “Os Meus 7 Pecados Capitais”, em 1926, como o momento que marca o início da actividade criativa de António Pedro (1909-1966), ela estende-se por umas escassas quatro décadas. Nesses 40 anos tiveram de caber o encenador teorizador e divulgador do teatro, cujo trabalho, só por si, bastaria para preencher uma vida, mas também o poeta de “Máquina de Vidro” (1931) e “Protopoema da Serra d’Arga” (1948), que cultivou sucessivos estilos, desde o lirismo tradicionalista, passando por experiências pioneiras de poesia visual, até àquilo a que Jorge de Sena chamou “um surrealismo regionalista”, o prosador de “Apenas Uma Narrativa”, porventura o primeiro romance surrealista da literatura portuguesa, o pintor vanguardista dos anos 30, que assinou manifestos ao lado de Picabia, Kandinsky e Duchamp, ou ainda o efémero escultor de inspiração dadaísta. E seria preciso acrescentar-lhes o dramaturgo, o tradutor, o ceramista, o crítico de arte, o galerista, o jornalista, o cronista da BBC e, cruzando-se com todos eles, o cosmopolita que passou largos períodos no estrangeiro, vivendo em três continentes. Esta deambulação vertiginosa pelas mais diversas disciplinas artísticas ajuda a explicar a falta de abordagens globais da sua obra, ainda que se verifique hoje um renovado interesse pela sua dimensão de encenador e teatrólogo. Fernando Matos de Oliveira compilou em 2001 os seus escritos sobre teatro e Teresa André publicou já este ano o livro “António Pedro e o Teatro em Portugal”, no qual destaca o “Pequeno Tratado de Encenação” (1962), ainda hoje uma obra de referência.

O tempo das vanguardas

António Pedro nasceu a 9 de Dezembro de 1909 em Cabo Verde, numa família com ascendência minhota e irlandesa. Num texto autobiográfico de 1955, afirma: “Esta metade galaico-minhota e irlando-galesa do meu sangue fez-me gostar de gaitas de foles, de instrumentos de percussão e da conquista do impossível. Como meus tetravós celtas, se eu pudesse, atiraria setas ao sol. Minha família, no entanto, é de gente burguesa e bem-pensante”. À infância em África seguem-se estudos liceais na Galiza, num colégio jesuíta. Em 1926 vai para Coimbra, completar o liceu, e ali publica o seu primeiro livro de poemas. Inscreve-se depois na Faculdade de Direito de Lisboa, que abandona em 1928, regressando a Cabo Verde. Os seus dois metros de altura tinham-no livrado do serviço militar. Editara, entretanto, “Ledo Encanto” e “Distância”, que mais tarde atribuirá à “adolescência dum poeta que encontrava na musicalidade das palavras a correspondência exterior da sua paz dolente”. Mas esse ser satisfeito com as belezas simples da vida está prestes a dar lugar ao experimentador compulsivo de todas as vanguardas, incluindo a vanguarda política que fascinou muitos intelectuais na época: o fascismo. Em 1931 dirige com Dutra Faria, um dos fundadores do nacional-sindicalismo português, o semanário “Acção Nacional”. Chefia depois a redacção do vespertino “Revolução”, enquanto cria, em Lisboa, a UP, possivelmente a primeira galeria de arte moderna do país. Militante do Movimento Nacional Socialista de Rolão Preto, entra em colisão com o recém-criado Estado Novo e parte, no Outono de 1934, para Paris, onde mergulha nos fervilhantes meios intelectuais daquele que era, então, o incontestado centro da vanguarda artística europeia. Nesse seu ano parisiense, aventura-se na escultura com “Aparelho Físico de Meditação”, associa-se ao Manifesto Dimensionista e publica os poemas visuais de “15 Poèmes au Hasard”. De regresso a Lisboa, em 1935, organiza na UP a primeira exposição de Vieira da Silva. O homem do teatro Nesses últimos anos antes da guerra, começa a interessar-se mais intensamente pelo teatro, projectando mesmo a criação, em Lisboa, de uma Companhia de Teatro Diferente, que não chega a avançar. Em 1942, regressado do Brasil, desdobra-se: publica “Apenas Uma Narrativa”, expõe, funda a revista “Variante” e assume a chefia de redacção do “Diário Popular”. Mas não tarda a partir de novo, desta vez para Londres, onde se relaciona com os surrealistas ingleses e trabalha para a BBC. Já então rendido às virtudes da democracia britânica, as suas célebres crónicas de segunda-feira irritam o regime salazarista e custam-lhe uma passagem pela prisão quando regressa a Portugal, em 1945. É um dos fundadores, em 1947, do Grupo Surrealista de Lisboa, que em breve se dividirá com a saída de Mário Cesariny. Embora continue a publicar poesia – o “Protopoema da Serra d’Arga” sai em 1948 – e a escrever crítica de arte, a sua principal ocupação, a partir do final dos anos 40, será o teatro. Gaspar Simões chamou-lhe “o mais completo homem de teatro” da época em Portugal. Após ter dirigido várias companhias em Lisboa, desilude-se com os múltiplos entraves aos seus esforços para construir um projecto teatral consistente e retira-se para Moledo, onde se dedica à cerâmica, a última das suas vocações. Mas esta “reforma antecipada” não durará muito. Alexandre Babo e Eugénio de Andrade convencem-no a assumir a direcção artística do recém-criado Círculo de Cultura Teatral – Teatro Experimental do Porto. Nos oito anos que permanecerá à frente do TEP, de 1953 a 1961, irá transformá-lo numa experiência sem precedentes no teatro português. É esse o António Pedro de quem ainda muitos se lembram: o homem do teatro. Um encenador revolucionário, mas dotado de uma sólida preparação teórica e animado por preocupações pedagógicas. Afinal, de todas as personagens que encarnou, a menos compatível com a figura do artista “bigger than life”, inspirado mas diletante, à qual sempre foi associado.

Ípsilon

Anúncios

Written by Jorge

Setembro 26, 2010 às 7:25 am

Publicado em Evento, Homenagem

Uma resposta

Subscribe to comments with RSS.

  1. Como se ve pelo meu nome, sou aquela amadora que entrou no elenco da Nau Catrineta e, que ao lado da Dalida Rocha, do Joao Guedes e do Baptista Fernandes criou a ANTIGONA de Sofocles, revisitada pelo tao querido Antonio Pedro. Ha 58 anos… Quiz virar a pagina como se diz, e virei-a realmente, tendo cortado todo o contacto com esse meio. Sou francesa e casada com um frances desde 1957. Se quiserem contactar-me, vai o Email e o meu telefone 0558479425.

    natércia PIMENTEL

    Maio 1, 2011 at 2:58 pm


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: