Quarta Parede

Blog de reflexão sobre teatro e dramaturgia.

Archive for Janeiro 2010

A Janela, pelo Mau Artista

leave a comment »

Coloca-se um casal, não interessa qual, mas coloca-se à janela para que assistam ao que se passa do lado de fora.
Reparam num homem elegante de fato e gravata, sozinho de olhar perdido; passa uma mulher elegante e cruzam olhares, olhando-se de cima a baixo. Notam nas etiquetas de fato alugado que cada um traz consigo e saem dali.
Reparam nos velhos casmurros que mostram a casmurrice de forma alternada, casmurros que são.
Reparam num casal que atravessa a estrada de forma casual, no camião TIR que desgovernado ao fundo da rua, não trava. Notam o olhar perdido do casal no momento antes de ser atropelado pelo camião. Olham um para o outro, o casal da rua, e são calcados pelo camião.
O casal acomodado à janela assusta-se e olham um para o outro. Reparam nas enormes marcas de pneu que cada um tem na cara. Os corpos da espessura do papel. Tal e qual duas folhas caminham trôpegos para a cama. Deitam-se, cobrem-se com os cobertores e ficam como que invisíveis de tão pouca espessura que têm.
Um homem entra no quarto, fecha a janela e deita-se em cima da mulher não dando conta e adormece. Eles incomodados, o homem mais feliz do que nunca.

De 19 a 24 de Janeiro
Sala Estúdio Latino, Porto
21h 45m
informações: 916165218 / 934051284

Textos e Encenação: Nuno Preto
Assistência de Encenação: Paulo Calatré e Rodrigo Santos
Interpretação: Nuno Preto e Tânia Dinis
Música Original: Rodrigo Santos
Desenho de Luz: Francisco Tavares Teles
Figurinos: Marta Lima
Cenografia: Paulo Soares
Produção: Marta Lima
Fotografia de Cena: Paula Preto
Design Gráfico: João César Nunes

Anúncios

Written by Jorge

Janeiro 19, 2010 at 9:45 am

Publicado em Uncategorized

Um teatro mesmo municipal

with one comment

Teatro Helena Sá e Costa faz dez anos e acolhe cada vez mais projectos alternativos
Por Patrícia Carvalho

A programação da sala para o ano de 2010 já está definida. O Helena Sá e Costa tem vindo a ocupar espaço deixado vago pela maior indisponibilidade do Teatro Municipal Rivoli

Já são quase dez anos, e não há razões para parar. O Teatro Helena Sá e Costa (THSC), no Porto, comemora em Abril o seu 10.º aniversário, apostando numa linha de “continuidade” em relação àquilo que tem sido. Traduzindo: um espaço de função dupla, acolhendo projectos artísticos do estabelecimento de ensino a que pertence, a Escola Superior de Música e Artes do Espectáculo (ESMAE) do Instituto Politécnico do Porto, e (cada vez mais) propostas de companhias teatrais do país.

Luísa Moreira, directora de produção do THSC, sublinha que, nos últimos anos, o palco tem sido cada vez mais ocupado por companhias confrontadas com a falta de alternativas no Porto. “À medida que a cidade vai perdendo palcos onde seja possível apresentar espectáculos, nomeadamente o Rivoli, surgimos como algo mais visível, mais ecléctico. A quantidade de dossiers e de projectos de teatro que temos recebido é bastante grande. Por cada espectáculo que acolhemos, há dois ou três para as mesmas datas que não podemos receber”, diz.

A responsável, desde Março de 2009, pela produção artística do THSC, não tem dúvidas sobre a “desproporção entre a quantidade de produção artística profissional e a pouca quantidade de espaços” disponíveis no Porto, e parece encarar esta realidade como uma oportunidade a não perder. Exemplo? A programação para 2010 inclui, em Março, a Semana de Teatro Físico e Novo Circo (de 18 a 27), uma experiência totalmente nova no Helena Sá e Costa. “Durante mui-tos anos, o Rivoli foi mostrando o novo circo com alguma regularidade, e quando isso deixou de ser possível, não existiu, no Porto (até agora), um palco que mostrasse o que se vai fazendo nessa área. Estamos a tentar avançar com este projecto para dar espaço a estes projectos, a nível nacional”, explica.

Propriedade do IPP, o Teatro Helena Sá e Costa acolhe as produções artísticas da ESMAE, nas áreas de música, teatro, dança e vídeo, enquanto acolhe, em simultâneo, companhias teatrais de todo o país. Esta diversida-de de programação permite-lhe ter um público heterogéneo – que passa pelo próprio corpo docente e estudantil da ESMAE, mas também pelo resto da população, que, defende Luísa Moreira, “tem normalmente escolhas bem definidas em termos daquilo que quer ver”.

Este ano, as celebrações do 10.º ani-versário prolongam-se até Dezembro, mas é em Abril que estarão mais em destaque. O aniversário deverá ser assinalado com a estreia mundial do concerto Tuba”n Saxe”s Company marcada para o dia 19. Três dias depois, a 22, será tempo de nova cele-bração, com o espectáculo Canto deIntervenção, promovido pela Associação José Afonso e inserido nas comemorações dos 80 anos de nascimento do “cantautor”.

O THSC foi construído de raiz, entre 1996 e 1999, no local onde estava um pátio da antiga Escola Normal, seguindo um projecto do arquitecto Filipe Oliveira Dias. Apesar da sua vocação como teatro-escola, mantém as portas abertas à participação de artistas externos e foi um dos palcos a receber parte da programação oficial da Porto 2001 – Capital Europeia da Cultura.

Público

Written by Jorge

Janeiro 19, 2010 at 9:42 am

Publicado em Recortes

O actor enquanto pau para toda a obra

leave a comment »

O [*]
Teatro procura Actor com conhecimentos sólidos na área do web design,
que tenha valências na área de produção e disponibilidade para
digressão.

(Visto num anúncio da net)

Written by Jorge

Janeiro 6, 2010 at 10:46 am

Publicado em Anúncio, Peculiar