Quarta Parede

Blog de reflexão sobre teatro e dramaturgia.

Archive for Setembro 2009

O Marinheiro, de Fernando Pessoa

leave a comment »

 

Dando continuidade a um trabalho de pesquisa centrado na procura de novas formas e sentidos para o Teatro na vida urbana contemporânea e a um projecto que tem privilegiado a investigação meta-teatral, os espaços não teatrais e as formas monologadas, o Teatro Plástico apresenta “O Marinheiro” de Fernando Pessoa.

Escrita/datada de 11 e 12 de Outubro de 1913 e nunca representada em vida do autor, O Marinheiro foi a primeira obra que Fernando Pessoa publicou na Orpheu, a mítica revista do movimento modernista português. Antecipando o “drama em gente” dos heterónimos, foi com O Marinheiro e na persona de dramaturgo que o maior poeta do século XX escolheu apresentar-se perante a vanguarda do seu tempo.

Ao condensar todas as obsessões Pessoanas O Marinheiro representa uma das mais fascinantes e menos exploradas máscaras da torrencial produção do autor e apesar de ser um dos mais importantes e belos textos da história do teatro e literatura portuguesas, raramente é representado. Esta obra que na teatralidade da obra heterónima ocupa um lugar único foi, de entre mais de vinte projectos teatrais, o único texto dramático que Fernando Pessoa completou e editou em vida e acompanhou-o ao longo da sua singular e breve existência, adaptando-o até perto da morte.

Este drama estático – teatro do êxtase, corresponde na babel Pessoana à primeira fase da sua obra e à ligação aos simbolistas e ao movimento saudosista português. Inspirado manifestamente em Maeterlinck cumpre as principais coordenadas estéticas do mentor do movimento mas propõe-se, nas palavras de Pessoa, “fazer muito melhor”.

Numa dimensão para além do espaço e tempo três mulheres velam um corpo e contam-se histórias, uma história: a de um marinheiro que, naufrago numa ilha deserta, constrói para si uma realidade ficcional mais poderosa e real do que a realidade. Presas nas teias da ficção, suspensas entre passado e futuro nessa vida maior do que a vida que é a Arte, estes espectros cujas vozes se sucedem e encadeiam como numa missa coral vão tecendo um longo mantra onírico e hipnótico e construindo um rigoroso poema visual.

Na sua recusa de todas as regras básicas teatrais (acção, conflito, personagens) O marinheiro é uma obra limite e provocatória e, como verdadeira vanguarda, permanece actual. A sua complexidade e jogo de espelhos meta-teatral e o modo como subverte e condensa as regras teatrais e poéticas, permanece um fascinante desafio para qualquer criador contemporâneo.

Leia o resto deste artigo »

Written by Jorge

Setembro 30, 2009 at 6:08 pm

Publicado em Companhia, Evento

Questionário sobre as vidas dos artistas

leave a comment »

A Plateia divulga vários questionários sobre as condições de vida dos artistas.

Written by Jorge

Setembro 30, 2009 at 9:49 am

Publicado em Anúncio

Funeral de Jorge Vasques

leave a comment »

O corpo de Jorge Vasques encontra-se em câmara ardente na capela mortuária da Igreja de Cedofeita.

Na quarta-feira, às 11h30, haverá missa de corpo presente, que depois seguirá para o Cemitério Prado do Repouso, onde terá lugar a cremação.

Written by Jorge

Setembro 29, 2009 at 12:48 pm

Publicado em Anúncio, Homenagem

O actor e a sociedade

leave a comment »

Um texto de Manuela de Freitas sobre o papel do actor, que vale a pela ler ou reler…

Para que o público receba com a inteligência, os sentidos e a emoção o que o actor lhe propõe, este vai buscar às outras artes, às ciências, às filosofias, aos rituais religiosos e a todas as formas de cultura, as técnicas que o ajudam a conhecer-se melhor e a melhor utilizar o seu pensamento, os seus sentidos e emoções, fazendo deles matéria de criação. Vivendo e convivendo com o que é, o que recusa, o que teme, o que deseja, é atento como uma antena e nada lhe é estranho ou alheio. Confronta-se com as suas capacidades e incapacidades, vícios e virtudes e torna-se uma espécie de base de dados a que vai buscar tudo o que serve para dar vida a cada nova personagem. Do seu encontro com ela o actor cria uma terceira entidade, única e irrepetível.

Written by Jorge

Setembro 29, 2009 at 11:01 am

Publicado em Reflexão

Quartas dos Contos apresenta Raquel Queizás

leave a comment »

A Tertúlia Castelense recebe na quarta-feira, 30, pelas 22h30, a contadora de histórias galega Raquel Queizás.

Mais informações aqui.

Written by Jorge

Setembro 29, 2009 at 9:52 am

Publicado em Evento

Debate sobre políticas culturais

leave a comment »

A PLATEIA realiza um encontro entre candidatos à Câmara Municipal do Porto para discutir e comparar as propostas dos vários partidos em termos de política cultural. O debate será moderado pela jornalista Inês Nadais, do jornal Público e terá lugar na FNAC de Santa Catarina, no Porto, na Segunda-feira, 28 de Setembro pelas 18h. No debate participam Amélia Cupertino de Miranda (CDS-PP), Nicolau Pais (PS), Catarina Martins (BE) e nome a confirmar (CDU).

Written by Jorge

Setembro 28, 2009 at 9:46 am

Publicado em Debate

O Marinheiro – Debate

leave a comment »

 

 

A propósito da estreia de “O Marinheiro” de Fernando Pessoa o Teatro Plástico apresenta no dia 29 de Setembro, pelas 18h, no café-concerto da FNAC de Sta. Catarina, uma leitura, seguida de debate, sobre o único texto dramático que o genial autor completou e editou em vida.  A entrada é livre

Written by Jorge

Setembro 28, 2009 at 9:13 am

Publicado em Debate